Arquivo do autor:Natasha Silva

Cinema noir no IMS

Começou no dia 3 mais uma mostra que o Instituto Moreira Salles organiza – dessa vez, o tema é cinema noir.

Até o dia 23 de setembro, 30 filmes serão reproduzidos na tela do IMS, que promete exibir desde os clássicos até os descendentes contemporâneos do estilo noir, surgido com base nas novelas policiais americanas.

Para os que se interessarem em descobrir o que há além das mulheres fatais e gangsters dos filmes incluídos nesse estilo, o IMS também vai dar quatro aulas sobre o cinema noir entre os dias 9 e 21 de setembro. Os que se inscreverem no curso ganharão um passaporte para ver seis dos filmes selecionados pela mostra.

A programação inclui clássicos como ‘Pacto Sinistro’, do Hitchcock e ‘Crepúsculo dos Deuses’, de Billy Wilder, além de ‘O grande golpe’, de Kubrick e da produção brasileira ‘O invasor’, dirigida por Beto Brandt.

A programação inteira está no site: http://ims.uol.com.br/Cinema/D9/P=422

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Fikdik

Audrey Básica

Antes de mais nada: as autoras deste blog pedem desculpas pelo sumiço. Uma delas está naquela época chata pela qual todo estudante passa duas vezes ao ano – o final de período. A outra é uma desocupada acabada de voltar de viagem que vem se adaptando lentamente. Muito em breve o blog voltará ao normal.

E para começar a cumprir nossa palavra, anunciamos agora uma pequena exposição.

Dos dias 6 a 11 de julho, o CCBB Rio de Janeiro mais uma vez nos presenteia, dessa vez com uma série de filmes sobre a eterna bonequinha de luxo, Audrey Hepburn.

A atriz belga criada na Inglaterra fundou a imagem das mulheres fofas, educadas e elegantes, mas era mais que isso. Considerada um ícone até hoje, Audrey Hepburn vai além de “Bonequinha de Luxo” e “My Fair Lady”, razão pela qual vale a pena conhecer a Audrey que existiu fora do cinema.

O CCBB vai exibir “A Princesa e o Plebeu”, “Sabrina”, “Guerra e Paz”, “Cinderela em Paris”, “Bonequinha de Luxo”, “My Fair Lady” e “Quando Paris Alucina”.

A programação e outros detalhes podem ser encontrados no site: http://www.bb.com.br/portalbb/page511,128,10153,1,0,1,1.bb?dtInicio=7/2010&codigoEvento=3446

Natasha Ísis

2 Comentários

Arquivado em Fikdik

A Cinémathèque francesa

            Henri Langlois e Georges Franju colecionavam filmes. Como embriões da geração de cinéfilos que surgiria mais a frente, os dois amigos corriam atrás de cópias, projetores, câmeras, publicações… Era uma fascinação, um vício talvez. E assim foi surgindo, devagarzinho, a Cinemateca Francesa.

            Fundada em 1936, sob a direção de Henri Langlois, o “Museu do Cinema” tem um trajeto um tanto turbulento. Primeiro instalado em três andares na avenue de Messine, depois passando para um espaço maior (sala de projeção com 260 lugares, contra os escassos 60 anteriores) na rue d’Ulm, foi preciso desenvolvimento e reconhecimento nacional para chegar ao seu célebre endereço, no Palais de Chaillot. Em 1968, sob pressão do governo, André Malraux, então Ministro da Cultura, decide cometer a loucura de demitir Henri Langlois da Cinemateca. Em Paris, 1968. É claro que foi uma confusão, cineastas incríveis se juntam em um comitê e fazem manifestações que trazem Langlois de volta.

Em 1977, o pai da Cinémathèque morre, mas a instituição não para de crescer e, depois de um incêndio no Palais de Chaillot e muitos problemas, passa para o número 51 da rue de Bercy, onde se encontra hoje, sob a direção de Costa-Gavras. É possível ir até o grande prédio da Cinemateca (que não me agrada muito, acho que preferiria a sala pequena e antiga) e ver filmes, discutir sobre eles, fazer workshops e visitar o museu.

            A grande contribuição da Cinemateca na história da Nouvelle Vague vem a partir da intenção de seus criadores de não somente armazenar filmes, mas também realizar exibições seguidas de discussões, o Cineclube. Era dentro das inicialmente pequenas salas de cinema onde ocorriam as seções do Cineclube que se encontravam os adolescentes sem muito mais na vida além do amor pelo cinema como Eric Rohmer, François Truffaut, Jean-Luc Godard e Jacques Rivette. Entre as conversas, filmes e “aulas” de cinema, surgiu a ideologia da Nouvelle Vague.

            Não há muito que dizer ou especular sobre a Cinemateca. Me parece simplesmente que, para Truffaut e companhia, foi simplesmente o lugar certo na hora certa. Encontrar um apaixonado pelo cinema que teve sucesso ao construir um espaço onde o estudo da sétima arte podia ser feito com liberdade como foi Henri Langlois na época em que as idéias fervilhavam e o mundo mudava tão rapidamente foi um golpe de sorte (para quem pode viver isso e para nós que hoje podemos desfrutar do que nasceu na pequena sala da avenue de Messine). Talvez seja de uma sorte dessas que precisamos para que venha um outro movimento que mude tanto a história do Cinema – e do mundo, pelo menos a minha vida influenciou – como foi a Nouvelle Vague.

Escrito por Natasha Ísis

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

“Tudo é ilusão” – o mundo paralelo de David Lynch

Tudo que está escrito aqui são especulações.

O mais incrível em relação aos filmes de David Lynch é que não há resposta. O próprio cineasta não dá interpretações de seus filmes. A resposta mais comum é “Interpretem como quiserem”. Os filmes podem ser bizarros em um primeiro momento – ok, os filmes são bizarros sempre – mas existe um sentido. Nada nos filmes de Lynch é despropositado, cada detalhe tem um sentido, uma razão para estar lá.

O texto que eu vou colocar aqui é a introdução de um trabalho que fiz para a faculdade.  Tá meio grande, mas sem a maioria dos detalhes técnicos/chatos para alguns, podem ficar calmos.

David Lynch é um dos poucos cineastas atuais que se encaixam no conceito da “campanha” da Nouvelle Vague por diretores-autores. Seu estilo cinematográfico, extremamente autoral e cultuado ao redor do mundo, é freqüentemente relacionado ao surrealismo devido aos aspectos técnicos e narrativos recorrentes em suas obras.

Nascido no ano 1946 em Missoula, interior dos Estados Unidos, David Lynch desde pequeno desenvolveu interesse pelas artes. Com o passar dos anos e com a sua passagem pela Academia de Belas Artes da Pensilvânia seu contato com a pintura, desenho, design gráfico e cinema foi se expandindo. São exatamente as suas experiências de vida, assim como o seu gosto pelas artes, que irão marcar as suas opções estéticas e narrativas.

As cores de Lynch em "Blue Velvet"

O universo “lynchiano” construído em filmes como “Cidade dos Sonhos” e “O Homem-Elefante” é repleto de situações bizarras e ilógicas; o diretor tem o costume de explorar a tensão entre realidade e imaginação, ilustrando a última através de seqüências de sonhos e pesadelos. Essa temática é construída a partir da não-linearidade da narrativa, necessitando por parte dos espectadores um esforço e participação intensa para atingir algum nível de compreensão. O próprio David Lynch afirmou em entrevistas o seu desejo de provocar reflexão ao levar todos a especular sobre o significado de seus filmes.

Primorosamente escritos, os roteiros de David Lynch abordam temas como a já mencionada tensão realidade/imaginação, o excêntrico dentro da normalidade e os mecanismos de poder. O diretor costuma optar por locações um tanto quanto extremistas: ou pequenas cidades, ou populares metrópoles, que abrigam seus personagens, retratos dos conflitos que o diretor procura expor em suas obras. Também é comum a presença de múltiplas identidades nos roteiros de Lynch, principalmente nas personagens femininas.

No que diz respeito à técnica, Lynch dá grande importância para a iluminação, cenografia e som. A iluminação de seus filmes é considerada por alguns como inspirada nos filmes noir e é detalhe importantíssimo na consolidação do roteiro, visto que destaca momentos determinados da trama, assim como o estado de espírito de alguns personagens. Os objetos de cena auxiliam nessa construção, dando apoio à iluminação e, por vezes, sendo parte essencial da trama ao carregar forte sentido subjetivo. O som é outro ponto muito valorizado pelo diretor, que já declarou seu perfeccionismo em relação a essa parcela do filme. Para David Lynch o som pode ser mágico, sendo ele capaz de acrescentar valores à atuação e mudar completamente uma cena.

Iluminação incrível em "Mulholland Drive"/"Cidade dos Sonhos"

De verdade, não percam a mostra do Lynch na Caixa. Os filmes são fantásticos, do tipo que te deixa perturbado. No melhor sentido possível.

Escrito por Natasha Ísis

1 comentário

Arquivado em Fikdik, I'm at the moviiies

Vale Open Air

Já começou, mas ainda está valendo: até o dia 13 de novembro o Jockey Club Brasileiro irá receber a maior tela de cinema do mundo com o Vale Open Air. O evento é a combinação de cinema ao ar livre com festas e shows após as exibições.

Vão passar diversos filmes imperdíveis como “O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus”, último filme do Heath Ledger; “Tudo pode dar certo”, a mais recente produção do Woody Allen; “Histórias de Amor duram apenas 90 minutos”, sobre o qual já falamos várias vezes aqui… entre muitos outros.

Além dos filmes, os shows e as festas também valem muito a pena. Mart’nália, Orquestra Voadora, Maria Gadú, Ana Cañas, Casuarina e Monobloco são alguns dos nomes que estão na programação aqui: http://valeopenair.com.br/programacao.aspx

Os primeiros 1.400 ingressos custam 20 reais (a meia-entrada, claro) e dão direito a ver o filme e depois ir para a festa/show do dia. Passando esse número, só ingressos para o pós-filme. Então, corram corram corram!

(Lembrando que o blog voltará ao normal em breve. Não esqueçam que somos universitárias e, portanto, escravas do final de período impiedoso.)

Escrito por Natasha Ísis

Deixe um comentário

Arquivado em Fikdik

CCBB: Woody Allen e Almodóvar

Em um momento déjà-vu do Festival do Rio, nesse momento as donas deste blog estão eufóricas com a programação do CCBB desse mês.

Começando amanhã, a mostra “A elegância de Woody Allen”, onde serão exibidos diversos filmes, alguns seguidos por debates. Mais: no Cinema 1 as exibições serão em película. É pra se emocionar mesmo.

E, como se não bastasse essa mostra fantástica, dia 24 de novembro será a estréia do programa “CCBB Em Cine”, com foco na formação de público. E a retrospectiva escolhida para essa primeira edição foi de ninguém menos que Pedro Almodóvar. Ah, a entrada é franca.

Por enquanto é possível se organizar somente para a mostra do Woody Allen, cuja programação está no site: http://www.woodyallen.com.br/index.html. Quem quiser saber os dias dos filmes de Almodóvar é só dar uma olhada na programação impressa do CCBB. Assim que sair uma versão online, colocamos aqui.

Conforme formos vendo alguns filmes comentaremos aqui, claro. Bom desespero de final do período + filmes imperdíveis para vocês!

Obs.: Um “muito obrigada” ao blog “Imagem em Movimento” que nos deu um selo de qualidade (http://christianjafas.wordpress.com/selos/). Nem preciso falar que ficamos super felizes, não é?

Escrito por Natasha Ísis

1 comentário

Arquivado em Fikdik

Um mês

“Nunca esqueçamos que as idéias são menos interessantes que os seres humanos que as criam, modificam, aperfeiçoam ou traem.”

(François Truffaut)

Ou não, né? Afinal, o blog e os posts acabaram sendo bem mais interessantes que as autoras idiotas.

E já tem um mês =)

20090610011741

em homenagem à Taís, "a princesinha"

Parabéns!

Escrito por Natasha Ísis

1 comentário

Arquivado em The bitch is crazy