Woody Allen, meu namoradinho.

(a mostra do CCBB me inspirou)

Não sei dizer se Woody Allen é meu cineasta preferido, no entanto, é sem dúvidas, o meu mais querido e também o que conheço melhor a obra. Quando vou assistir a um filme de Allen, não tenho sempre a certeza de que vou assistir ao filme da minha vida (embora isso tenha acontecido mais de uma vez, tenho muitos filmes da minha vida), mas sim sabendo que vou experimentar novamente a indescritível sensação prazerosa que me faz amar o cinema.

l_75686_3dff50d7

Para mim, todo filme de Woody Allen é uma homenagem ao cinema, porque ali está um homem que dedicou toda sua vida a essa arte, superou seus tramas, problemas e angústias em relação à vida para realizar um trabalho memorável. Além disso, se Truffaut defendia que os cineastas têm espécies de “manias” – que são os elementos que fazem um cinema ser ou não autoral – as manias de Woody Allen me deliciam, porque muitas são também minhas manias. Suas paixões mal resolvidas, auto-ironia, cinismo, as mulheres loucas (um capítulo adorável a parte na obra de Allen), os conflitos existências, as paranóias, são alguns dos traços de Allen com os quais me identifico.

20090401191405

Woody faz um cinema que entretêm e é profundo, faz seus expectadores rirem e pensar, isso é perfeito. Por mais que sua obra (e talvez sua própria vida) não possua um teor político (o que eu considero importante, mas aí é uma das minhas manias), não se tratam de filmes com temas vazios, pelo contrário, há muita filosofia neles – dessa que você não precisa ter conhecimento teórico para sentir. Seus filmes, para mim, são verdadeiras lições de como lidar com a vida, com os problemas individuais e as grandes dúvidas que todo ser humano tem, tudo isso com humor (majoritariamente).

-_large

Em seus filmes, Allen freqüentemente aborda a amargura da vida, mas (quase) sempre exposta de uma maneira afirmativa que não nos impele a um desespero niilista, mas sim certo conformismo ativo (afinal é “Igual a tudo na vida”, e “Wee need the eggs”) que para mim tem um forte tom existencialista, apesar da angústia há a liberdade e o poder de escolha, o mundo é cheio de injustiças e tristezas, mas ainda podemos fazer algo (“Somos o que fazemos do que fazem de nós” – para eu citar Sartre e me sentir cult).

“Interiores” expressava os meus sentimentos pela vida, que é um nada frio e vazio em que vivemos e que a arte não salva – só um pouco de calor humano ajuda. Isso era uma coisa que eu estava escrevendo didaticamente. Uma porção de idéias minhas, se você juntar todas, vão parecer pessimistas. “Crimes e pecados”, você pode cometer um crime e se safar porque o universo não tem deus. Se você não se policia, então ninguém vai te policiar. Em” A rosa púrpura do Cairo” a minha sensação era, como eu já disse antes, de que você tem de escolher entre a realidade e a fantasia e, claro, é forçado a escolher a realidade, e ela sempre te mata. Em “Interiores” havia muita coisa sobre quanto somos frios e pouco comunicativos uns com os outros, e como a vida é uma coisa aterrorizante, e a morte é aterrorizante, e nada ajuda. É juntar tudo isso [ri baixo] e ver como parece muito sombrio.

Eu gosto muito também das mulheres de suas histórias. Tudo bem que há doses exageradas de paranóia e loucura em algumas delas, mas é comum a arte se apropriar do exagero e não posso negar que Allen mostra essa loucura de um jeito muito charmoso. Eu simplesmente amo todas aquelas diferentes mulheres de Hannah e suas irmãs (o filme que me fez começar a gostar de Woody Allen). Hannah é a irmã perfeita, meio garota tom pastel que me irrita, mas pode ser adorável (me lembra um pouco Vicky de “Vicky Cristina Barcelona”); Lee é um tanto quanto problemática, o tipo de mulher apaixonada, intensa e sensual que Allen gosta de explorar em suas histórias (Cristina de “Vicky Cristina Barcelona”, Amanda de “Igual a tudo na vida”…); Holly é a, perdoem-me a expressão, crazy bitch, completamente desnorteada e com um tendências auto-destrutivas (lembra María Elena de “Vicky Cristina Barcelona” e a Melinda dramática de “Melinda e Melinda”). Todas essas mulheres me fascinaram muito, porque Woody as cria com uma graciosidade incrível, afinal elas o enlouquecem, mas ele as ama. Minha preferida, no entanto, é sempre a Diane Keaton, ela por si só é maravilhosa, tem uma beleza particular que me encanta, além disso, nenhuma personagem, para mim, tem mais carisma que Annie Hall. Confesso que não gosto tanto da Mia Farrow, mas sua personagem em “Crimes e Pecados” é outra que ganhou minha admiração, workaholic, fria, absurdamente sarcástica e inteligente, não tem como não se apaixonar.  Acho que concordo com a maneira que Woody Allen compõe os tipos humanos, não sei se é certo ou realista, mas é bem similar com a maneira com que eu vejo as pessoas também.

hannahcol

Dá pra escrever qualquer coisa para a Mia. Ela é uma atriz desse tipo. É mais uma atriz clássica, mas é capaz de fazer uma cantora barata e uma mãe dramática. A [Diane] Keaton também é capaz disso, em grande medida. Mas a Keaton tem um certo tipo de personalidade muito, muito espetacular, e é muito agradável na tela. O pró dessa personalidade é que é um dote único, tremendo. E o contra – e não acho que seja um contra tão grande assim – é que nem sempre é fácil perder essa personalidade é quando você quer mergulhar num personagem. Mas ela sempre foi muito boa nisso. Ela também tem um amplo alcance.

Woody Allen é um marco na história do cinema, pela sua originalidade, pelo tom único que tem sua obra e por mostrar o quanto o humor pode ser sério e profundo. As manias de Allen tornam seu cinema autoral, mais do que isso, nos dão a sensação de visitar um velho amigo inteligente, engraçado e paranóico (de vez em quando mais depressivo e pessimista que o normal) a cada filme assistido.

20090315184340

Não é à toa que eu já sonhei que a gente namorava e andava de mãozinhas dadas em Botafogo (foi só isso tá, não venham com suas mentes maliciosas para cima de mim).

Quando eu era menino, sempre corria para o cinema em busca de um escape – às vezes doze ou catorze filmes por semana. E, adulto, consegui viver a minha vida de forma um tanto autocomplacente. Consigo fazer os filmes que quero, e então, durante um ano, posso viver naquele mundo irreal de mulheres bonitas e homens interessantes, situações dramáticas, figurinos, cenários e realidade manipulada. Sem falar em toda a maravilhosa música e em todos os lugares aonde me levou. [Ri.] Ah, e às vezes eu consigo sair com uma das atrizes. O que poderia ser melhor? Escapei para uma vida no cinema do outro lado da câmera, mais que para o lado da platéia. [Faz uma pausa.] É irônico eu fazer filmes escapistas, mas não é o público que escapa – sou eu.

(trechos em Itálico foram retirados do livro ‘Conversas com Woody Allen” de Eric Lax)

Escrito por Taís Bravo

Anúncios

11 Comentários

Arquivado em Ai ai ui ui, Resenha, The bitch is crazy

11 Respostas para “Woody Allen, meu namoradinho.

  1. Ah, que lindo =)

    Eu não conheço Woody Allen tão bem quanto você, mas também gostei muito de tudo que vi. E, devo dizer, apesar de não ser o tema central dos filmes dele, obviamente (tanto que, no trecho que você colocou do livro, o próprio se classifica como “escapista”), eu vejo um pouco de política nos filmes sim – só muito bem camufladas, sempre vindo sem querer, talvez, no meio das ironias do diretor.
    Enfim: adorei o post, a mostra, quero ver mil filmes e quero o catálogo hehe

    Beijos!

    • Ah sim, eu acho que ele tem uma posição política que fica implícita – na prosa fica mais aparente. Mas não vejo muito engajamento, até por ele ser muito descrente. Isso não é uma crítica, em alguns momentos é melhor ser assim do que panfletário que não sabe o que está defendendo.

      • Pois é, não vejo muito engajamento também, mas também não critico. O Woody (intimidade) consegue fazer filmes incríveis sem tratar de política, ninguém é obrigado a isso *Glauber Rocha se revirando no túmulo*. Existem infinitos temas na vida, isso de ser “acusado” de escapista é uma coisa muito complexa…

      • Mas acho que ele não é acusado de escapista. E acho que mesmo quando ele se denomina assim, não é um escapismo completo, porque dentro dessa forma de “escapar” ele constrói algo para a realidade. Ele não se resguarda na sua imaginação, ele cria a partir dela. E muito menos se apropria da realidade a deturpando completamente. Até quando ele se utiliza da fantasia (como em A rosa púrpura do Cairo) ela tem implicações para realidade, promove reflexões.
        Eu acho que tudo que promove reflexões válido – ok, sinto que vou me ferrar com essa afirmação – e dificilmente escapista.

      • ” É irônico eu fazer filmes escapistas, mas não é o público que escapa – sou eu.”

        só concluindo, como eu sou chata, é exatamente isso, o trabalho é uma forma de escapismo pro Woody (de suas angústias e etc…), mas o trabalho do Woody Allen não é um escapismo para o público (só se esse for burro ou não quiser ver)

  2. Eu também não acho os filmes dele escapistas, mas acredito que algumas pessoas pensam isso por causa dessa falta de política explícita nos filmes deles. Por isso acho complexa essa história de escapismo, me parece mais uma questão de gosto pessoal – se você só considera válido filmes onde se debatem filosofia, política e outros, há uma tendência a considerar todo o “resto” escapista e desnecessário.
    É relativo – pra encerrar minha participação nessa conversa com meu lado pós-moderno =)

    • “É relativo – pra encerrar minha participação nessa conversa com meu lado pós-moderno =)”

      ¬¬
      Até pode ser relativo, mas há limites. Pra mim, tudo que não se propõe a criar nada é escapismo. Mas nem sei porque a gente tá discutindo isso.

  3. Rafael Zacca

    HAHAHA
    Adorei o título e o sonho!

    Gostei da declaração; conheço poucos filmes dele (uns 3 me vêm a cabeça, só), mas gosto bastante e pretendo assistir mais.

    Beijos beijos.

  4. Também adoro Woody Allen, vi muitos filmes dele, e tenho essa relação de afeto, além de admiração, por ele. Sabe, isso de sentir que ele é o cineasta mais querido, apesar de não necessariamente o preferido. Sempre pareço sem graça e sem opinião própria porque venho aqui e concordo com quase tudo que você diz, mas é porque eu concordo mesmo, fazer o quê? E, bem, é o mesmo nesse caso.
    E queria muito ter sonhado que namorava o Woody e andava de mãos dadas com ele por Botafogo. Ia achar uma gracinha e passar o resto do meu dia feliz.

  5. Ana

    Woody Allen é muito requisitado, ou eu que acho que todas as mulheres são meio neuróticas?
    O que ele diz sobre a Rosa púrpura do Cairo é tão verdade, e é tão horrível! Mas bom, c’est la vie, c’est la vie e a gente sempre acaba escolhendo a realidade…
    Sério, eu tô ficando apaixonada pelo seu blog! (viu, nao foi comigo pra odara fiquei bundando na internet)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s